Nem todo chororô é fome

As lágrimas saem e a comida entra? Pode não ser uma boa ideia acalmar seu bebê com comida sempre que o choro começar. Leia sobre o estudo americano que tratou do assunto!

20Da amamentação ao papá…

…desde o momento em que os pequenos nascem, a gente começa a se preocupar a cada choro ou reclamação: será que é fome?

No nosso desejo de deixar a turminha feliz e confortável, tudo vira motivo para oferecer uma comidinha, afinal, só um lanchinho não vai fazer mal.

Menos também é mais

Um dos grandes mitos da alimentação infantil é acharmos que comer muito é sinal de crescer saudável. Por isso, associamos comida com bem-estar e utilizamos os alimentos para suprir necessidades que vão muito além da fome. Mas será que isso faz bem?

Um estudo americano percebeu que usar lanchinhos para acalmar pode trazer consequências no ganho de peso das pessoinhas desde cedo.

Os pesquisadores analisaram o temperamento dos bebês e como suas mães os acalmavam quando tinham seis meses de idade. Um ano depois, descobriram que bebês com personalidade mais extrovertida e ativa que eram acalmados frequentemente com alimentos, ganhavam mais peso.

Isso pode parecer ótimo quando pensamos em bebezinhos que tudo o que queremos é ver tranquilos e cheios de dobrinhas, mas construir esse hábito a longo prazo pode resultar em ganho de peso desnecessário associado a obesidade.

Os resultados sugerem que quando os pais dão comida a bebês que não estão com fome, eles começam a aprender a comer para satisfazer emoções. Isso faz com que eles procurem comida com mais frequência no futuro.

Os resultados sugerem que quando os pais dão comida a bebês que não estão com fome, eles começam a aprender a comer para satisfazer emoções.

Isso faz com que eles procurem comida com mais frequência no futuro.

Comer, comer pra crescer

Oferecer um lanche pode ser uma maneira eficaz de acalmar uma criança exigente, mas a consequência desse hábito pode não ser tão legal assim.

É preciso aprender a separar as coisas e atender as necessidades das pessoinhas, sem procurar o caminho mais curto. Se o chororô começar, considere todas as possibilidades: será que aquele bebê está cansado, entediado, com sono? Será que quer brincar? Tem muita coisa pra pensar antes de oferecer o biscoitinho açucarado.

O Gourmet Jr recomenda a consulta de um profissional especializado em caso de dúvida quanto a qualquer informação disponível no portal.